barracima
barracima

O perigo de os rios voadores secarem

Não é por falta de aviso. O alerta de que o desmatamento da Amazônia tem impacto na chuva que cai, a três mil quilômetros, no Sudeste, é repetido há tempos em todas as instâncias em que se discutem temas correlatos. Ambientalistas e pesquisadores batem nessa tecla em congressos, conferências e encontros científicos. Políticos - ainda que por apelo eleitoral - fazem do assunto bandeira de campanha. E a imprensa lhes dá voz para que toda a sociedade se conscientize. Conforme O GLOBO mostrou segunda- feira, chuvas e trovoadas deram um mais que bem- vindo alívio na dramática seca deste verão no Rio por causa dos chamados rios voadores - formados na Amazônia a partir da umidade que a floresta "puxa" do Oceano Atlântico. A umidade cai como chuva sobre a mata e, com a "transpiração" das árvores, grande quantidade de vapor de água é jogada na atmosfera. São 20 bilhões de litros por dia. Toda essa água desce rumo ao Sul, margeando a Cordilheira dos Andes, e se dirige ao Sudeste, onde a necessidade dela é urgente. É na região que se concentram a atividade econômica, especialmente a indústria, para a qual a água é insumo fundamental; e milhões de consumidores domésticos, assustados com a perspectiva de torneiras secas sob sol forte. A formação dos rios voadores, no entanto, encontra obstáculos. Quarenta e sete por cento ( quase a metade) da Amazônia brasileira foram desmatados ou sofreram degradação. A ação de motosserras e as queimadas têm sido deletérias, e a recuperação é um processo longo. Segundo o pesquisador do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do Inpe Antônio Donato Nobre, há risco de a mata virar savana. Dados divulgados semana passada indicam que o pesquisador não exagera. Entre 2000 e 2010, a Floresta Amazônica, incluindo oito países além do Brasil, perdeu 240 mil quilômetros quadrados devido ao desmatamento. Isso corresponde ao território da Grã- Bretanha, segundo a Rede Amazônica de Informação Socioambiental Georreferenciada, da qual fazem parte 11 organizações não governamentais. A relação entre meio ambiente e fenômenos climáticos é inegável, e é preciso agir rapidamente. Até porque tivemos exemplos de que é possível obter resultados. No caso da emissão de gases- estufa no Brasil, houve redução desde 2004, motivada sobretudo pela queda no desmatamento da Amazônia, que, no entanto, voltou a subir de 2012 a 2014. E o ano que começou com seca e temporais esporádicos tem agenda cheia nesse sentido. A luta contra o desmatamento em florestas tropicais e a transferência de tecnologia para combate às mudanças climáticas em países em desenvolvimento foram acordadas por 196 países na Conferência do Clima, realizada em dezembro. Que não se fique só no discurso.

O Globo, 08/02/2015, Opinião, p. 16.

http://oglobo.globo.com/opiniao/o-perigo-de-os-rios-voadores-secarem-152...

barrabaixo

Apoyo a RAISG

Rainsforest Foundation Noruega Ford Foundation Fundação Moore
barrabaixo